Passo-a-passo para organizar uma viagem de forma independente.

passo a passo

Por Mariana Piana*

Organizar sua própria viagem pode ser trabalhoso mas também muito prazeroso. Fazer seu próprio roteiro, furá-lo, ter liberdade de escolha e conhecer os lugares antes mesmo da viagem acontecer são algumas das vantagens de uma viagem independente e sem a contratação de uma agência de turismo.

Viajar com ajuda de uma agência pode parecer mais fácil e mais barato, mas te garanto que com um pouco de organização e planejamento você pode fazer ótimas economias e acredite: pensará duas vezes antes de contratar novamente uma agência nas suas próximas viagens.

Para te ajudar no planejamento da sua viagem independente, te indico 10 PASSOS :

1º PASSO: Estipular um orçamento

Você decidiu que quer viajar. Seja nas férias ou apenas num feriadinho de 4 dias, para cada viagem a ser realizada, o viajante poderá estipular qual será o seu gasto máximo incluindo passagem + acomodações + atrações + alimentação + transporte + suveniers.

Este é o primeiro passo. Depois que definir quanto será seu orçamento, siga para o passo 2.

2º PASSO: Escolher o destino

Esta é uma tarefa difícil, afinal são tantos lugares lindos no mundo, não é? Para te ajudar a reduzir as possibilidades, separe os destinos por tempo disponível, tipo de viagem e pelos seus interesses. 

  • Você tem 4 dias disponíveis para a viajar? 7 dias? 1 mês?
  • Você quer uma viagem para praia, para as montanhas, para um destino com neve?  Com muita natureza?  Gosta das grandes cidades?
  • Que tipo de interesse você tem no destino: apenas descansar e relaxar? Turismo de aventura ou religioso? Lugares históricos? Rota de cervejas ou vinho? Adora museus? Tem alguma limitação física? A viagem será com crianças? Uma viagem estilo mochilão? Quer visitar vários países?

Por fim, responda: Quais dos destinos possíveis é mais compatível com o orçamento estipulado?

Seja qual for as suas preferências você precisa definir qual o destino das suas férias ou do feriado. Depois de definido, siga para o 3º passo!

3º PASSO: Quando viajar?

Responda algumas perguntas:

  • Qual o melhor período do ano para visitar o destino(s) que você escolheu?
  • A data das suas férias são apropriadas para o destino(s)?
  • Como estará o clima no destino escolhido no seu período disponível?
  • Quando é a alta temporada no destino escolhido?
  • No destino escolhido, existe alguma alteração climática na data prevista para viagem? Como por exemplo as monções no sul e sudeste da Ásia (que trata-se de um fenômeno atmosférico que propicia a ocorrência de intensas chuvas em um período do ano e secas rigorosas em outro)

Se o destino escolhido e o seu período disponível forem compatíveis, excelente! Siga em frente para o passo 4.

Confira abaixo as estações do ano nos Hemisférios Norte e Sul:

Hemisfério Norte

Primavera: 21 março até 20 junho
Verão: 21 junho até 20 setembro
Outono: 21 setembro até 20 dezembro
Inverno: 21 dezembro até 20 março

Hemisfério Sul

Primavera: 21 setembro até 20 dezembro
Verão: 21 dezembro até 20 março
Outono: 21 março até 20 junho
Inverno: 21 junho até 20 setembro

4º PASSO:  Passaporte, visto e obrigatoriedades

Você definiu seu destino. Depois de definido deve entender quais as obrigatoriedades legais deverá providenciar para entrar no país.

  • Passaporte: O passaporte é o documento básico de identificação internacional. Nas suas viagens internacionais tenha um passaporte válido por no mínimo seis meses, contados a partir da sua chegada ao país de destino. Você vai precisar do seu passaporte para viajar para a maioria dos países, exceto os países integrantes do Mercosul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Paraguai, Uruguai e Venezuela), onde só é necessário apresentar um documento de identificação oficial com fotografia atual (mas eu particularmente prefiro sempre levar o passaporte).
  • Visto: O país que você vai visitar exige um visto para entrada?  Quanto tempo o visto demora para ser liberado? Antes de realizar uma viagem para qualquer país é preciso saber se é necessário visto para brasileiros e qual o procedimento para tirá-lo. A emissão dos vistos são de responsabilidade das autoridades estrangeiras e cada país tem o seu procedimento. Você mesmo poderá fazer as solicitações através da embaixada do país de destino (presencialmente ou pelo site da embaixada), sem utilizar agências/despachantes, que cobram caro pelo serviços. Se você não tiver domínio do idioma, você pode pedir ajuda para algum amigo que aplicou, participar de fóruns nas redes sociais sobre o assunto ou, em última hipótese, optar pela contratação de um despachante/agência que cuidará desse assunto para você. Em alguns países é necessário tirar o visto presencialmente e antes de comprar as passagens, outros podem ser solicitados online e em alguns você consegue até mesmo na chegada no aeroporto do país. Acesse aqui a lista de países que exigem visto para brasileiros.
  • Outras obrigatoriedades: Alguns países além de passaporte e do visto exigem outras obrigatoriedades como vacinas e seguro de viagem.

5º PASSO:  Comprar a Passagem

Destino escolhido, visto expedido e obrigatoriedades legais checadas, chegou a hora de comprar a passagem. Dependendo do destino escolhido este pode ser o item mais caro da viagem e por isso é importante ficar atento e aproveitar as promoções que vivem aparecendo. Você pode pesquisar em diversos buscadores como: Skyscanner, MomondoDecolar, Google FlightsMelhores Destinos e Passagens Imperdíveis (os dois últimos tem excelentes ofertas).

Algumas dicas para te ajudar a achar boas tarifas de passagens aéreas:

  • Seja Flexível: A mais importante das dicas. Quanto mais flexibilidade de datas, horários e destinos você tem, mais chances de bons preços terá! Você pode procurar voos com uma data específica, mas indo um dia antes e voltando um dia depois pode estar mais barato, por isso ter flexibilidade pode te fazer economizar. E lembre-se que os voos de terça à quinta são mais baratos do que os voos de sexta à segunda.
  • Se informe sobre todos os aeroportos do destino: Geralmente, o aeroporto principal da cidade é o mais movimentado, melhor localizado e também o mais caro. Pesquise passagens para o aeroporto secundário da cidade, pode ser mais longe mas você pode economizar na escolha. Se optar pelo secundário, antes de comprar a passagem se informe sobre o deslocamento para o seu hotel (se tiver apenas táxi e o aeroporto for longe, o barato pode sair caro).
  • Verifique seus pontos fidelidade do cartão de crédito ou das companhias aéreas: Se você possui cartão de crédito e acumula pontos no fidelidade (verifique com seu banco) você pode converter para pontos nas companhias aéreas e com isso resgatar passagens aéreas. Se tiver pontos de fidelidade junto às companhias aéreas, pode resgatar também em passagens. Pra mim já surgiram boas recompensas!
  • Fique atento as promoções: Algumas empresas aéreas e buscadores possuem aplicativos próprios, divulgam nas redes sociais e enviam por e-mail algumas promoções relâmpagos com preços bem atrativos.  Você pode se cadastrar/seguir e se receber uma destas promoções baratinhas precisará decidir rápido, pois geralmente essas pechinchas se esgotam em minutos. Veja abaixo alguns exemplos:

6º PASSO: Providenciar o Seguro Viagem

Depois de comprar a passagem, caso o destino seja internacional, você deverá providenciar o Seguro Viagem, que é um seguro vendido no Brasil para cobertura de eventuais emergências (médicas, jurídicas, bagagem) no exterior. Algumas pessoas não se importam de viajar sem, mas eu nunca deixei de comprar para as minhas viagens, seguro é indispensável e torça para não precisar usá-lo, isso significará que tudo correu bem!

O Tratado de Schengen é um acordo entre países europeus que estabelece a obrigatoriedade da Assistência Viagem, para turistas, com cobertura mínima de € 30.000 para garantir assistência médica em caso de doença ou acidente. Assim como existe uma obrigatoriedade para alguns países da Europa, outros países do mundo também pedem.

Existem várias seguradoras que oferecem planos diferentes (ex:para idosos, para praticantes de esportes radicais) e você deve pesquisar qual melhor se adapta a sua viagem. Alguns cartões de crédito também oferecem aos seus clientes este seguro, verifique com a operadora do seu cartão se você tem direito a este serviço.

Você pode procurar diretamente no Google “cotação de seguro viagem” ou acessar o Assistente de Viagens que faz cotações online.

7º PASSO: Definir as cidades

Você escolheu o destino, comprou a passagem aérea e sabe quando dias terá para aproveitar a viagem. Com base nestas informações chegou o momento de programar seu roteiro pelas cidades por onde passará (caso opte por visitar mais de uma cidade). Algumas dicas para fazer seu planejamento e curtir sem pressa cada destino:

  • Bate e Volta: Existem cidades que você consegue fazer em um dia (bate e volta). Exemplo: Olinda (a 30 minutos de Recife), Brighton (a uma hora de Londres) ou Niagara Falls (a duas horas de Toronto);
  • Para cidades pequenas o ideal é 2 noites na cidade. Exemplo: Milão, Lima ou Edimburgo.
  • Para cidades médias o ideal é 3 ou 4 noites na cidade. Exemplo:  Praga, Buenos Aires ou Santiago.
  • Para cidades grandes o ideal é no mínimo 5 noites na cidade. Exemplo: Londres, Roma ou Istambul.

Se você pretende fazer várias cidades/países na sua viagem, leve em consideração o tempo de deslocamento entre as cidades e as opções de transporte para que sua viagem seja confortável e você possa também aproveitar o percurso. Você pode entender como será este deslocamento, através do Google Maps ou do Via Michelin.

8º PASSO: Reservar a hospedagem

Depois de definir quantas noites você vai passar em cada cidade durante a sua viagem, chegou a hora de escolher onde você vai se hospedar. Algumas pessoas preferem viajar com todas as reservas feitas, outras preferem reservar durante a viagem. Eu particularmente prefiro reservar antes para conseguir os melhores preços e os melhores lugares (custo-benefício).

Alguns tipos de hospedagem são:

  • Hostel/Albergue – São indicados para viajantes que não querem gastar muito dinheiro com hospedagem e não se importam de dividir quarto e banheiro com pessoas desconhecidas. Geralmente possuem um clima de bastante entrosamento entre os hóspedes, ideal para fazer novas amizades. Bons sites para pesquisar este tipo de hospedagem são: HostelWorld ou Booking.
  • Hospedagem grátis – Indicado para quem não quer gastar nada de dinheiro! São oportunidades de você ficar na casa de moradores das cidades sem pagar nada por isso e de quebra conhecer um pouquinho mais da rotina e costumes de um nativo. Uma desvantagem deste tipo de acomodação é ter que seguir regras, como ter que esperar o anfitrião chegar em casa para você poder entrar (alguns deixam a chave com o hóspede, outros não). Já utilizei umas 5 vezes este tipo de hospedagem e até hoje mantenho contato com a maioria dos meus anfitriões. Para este tipo de hospedagem indico o CouchSurfing ou o HospitalityClub. Em ambos você precisa fazer seu cadastro, analisar com cautela as recomendações das pessoas sobre os anfitriões e mandar mensagem pedindo acomodação. O anfitrião pode ou não aceitar sua solicitação.
  • Pousada, Hotel ou Resorts – Os tipos mais comuns de hospedagem são as pousadas e hotéis. Você encontra de todos os jeitos e para todos os bolsos no Booking ou Tripadvisor 
  • Aluguel de apartamento/casa – Um novo jeito de hospedagem surgiu com tudo há poucos anos e tem conquistado muita gente (inclusive eu). São os aluguéis de temporada em casas/apartamento de moradores da cidade. Você também tem a opção de alugar apenas o quarto na casa de alguém e pode inclusive oferecer a sua casa também. Para grupos grandes é super bacana esta opção, afinal todos podem ficar no mesmo apartamento para interagir e não em quartos separados de hotéis. O que indico é o Aibnb. Já utilizei algumas vezes e foram experiências fantásticas.

Independente de qual seja a sua preferência, antes de efetuar a reserva faça a checagem da localização no Google Maps (proximidade com os pontos turísticos e facilidade com transporte), a política de cancelamento e verifique no site a qualificação do local, seja por pontuação ou pelos comentários deixados por quem já se hospedou anteriormente por lá.

9º PASSO: Qual o Transporte?

Depois que você definiu o roteiro das cidades que visitará, deverá entender qual o melhor meio de transporte para realizá-lo. Seria de ônibus, trem, táxi ou carro alugado? Você precisaria pegar algum avião entre os destinos escolhidos?

Em alguns destinos é muito fácil se locomover e viajar entre cidades utilizando transporte público.Pesquise bastante como funciona o transporte público no destino escolhido. Se ele dá acesso a todas as atrações que você tem interesse e se é de fácil acesso.

Mas algumas viagens são mais cômodas ou melhor aproveitadas quando alugamos um carro, e dependendo do número de pessoas que vão viajar com você o aluguel de um carro também se torna mais vantajoso (custo-benefício).

Algumas sugestões para pesquisa de transportes:

  • Quer alugar um carro? Confira os preços aqui no Rental Cars.
  • Vai fazer vários países ou cidades distantes? Precisa pegar um avião entre os destinos escolhidos? Existem diversas companhias aéreas de baixo custo (low cost). Nos Estados Unidos temos várias como a Southwest. Na Ásia tem a AirAsia. Na Europa você tem as famosas Ryanair e Easyjet. Se for comprar passagem através destas cias, apenas preste atenção nas letrinhas minúsculas dos contratos, pois muitas delas costumam cobrar por tudo, até mesmo pela impressão do cartão de embarque ou pela mala despachada. Ah, e embarque sem fome, elas não servem nada para comer!
  • Alguns países (principalmente da Europa) o deslocamento por trem é uma excelente opção. Para pesquisar as rotas e preços de passagens por lá veja o site da Rail Europe.
  • Se você for utilizar bastante o transporte público, verifique se na cidade existe algum cartão de transporte que contemple os dias que você estará na cidade. Ao invés de pagar individualmente cada vez que você utilizar, você pode comprar o “pacote” e isso pode sair mais barato.
  • Se você possui poucos dias na cidade e quer ganhar tempo nos deslocamentos, muitas cidades possuem um City Tour de ônibus onde você paga um valor único e pode usar ilimitado por um período de tempo/dias. Estes tours passam pelas principais atrações turísticas da cidade e você pode desembarcar nas que tem interesse em desbravar. Você pode pesquisar direto no Google qual a companhia realiza City Tour no seu destino.

10º PASSO: Conhecer as atrações e fazer os roteiros diários

Por fim, depois de passagens compradas, hospedagem reservada, transporte definido você vai começar a planejar a melhor parte da sua viagem independente: Quais as atrações de cada cidade. Neste passo, você já começa a sua viagem antes de mesmo de realizá-la. Vai se aprofundar um pouco mais sobre o destino e entender quais os lugares que você não quer perder quando estiver por lá.

Esta etapa requer muita pesquisa e muita leitura! Existem uma infinidade de lugares para pesquisar e saber o que existe na cidade de interessante como as atrações turísticas, museus, lojas, história, costumes, regras de vestimenta,  feriados e datas comemorativas do local, comida típica, restaurantes, bares e baladas. Você pode comprar aqueles Guias de cidades prontos nas livrarias ou pode fazer seu próprio roteiro, através de sites da internet como o Do Norte ao Sul, Tripadvisor e demais sites que você localiza pelo Google digitando “o que fazer em xxx”. Este tipo de pesquisa é importante também para saber qual o horário de funcionamento das atrações e assim não programar uma visita fora do horário.

Outra dica é pesquisar no Google Maps quais locais ficam perto um do outro, na mesma área e assim traçar uma rota para ganhar tempo e eficiência, fazendo cada região da cidade em um dia e podendo percorrer as atrações à pé.

Sempre que realizo uma viagem eu gosto de fazer os roteiros dia-a-dia por onde vou passar, assim não deixo de visitar nenhum lugar que estava na minha lista. Porém, esses roteiros não devem ser engessados. É importante se permitir furá-lo, se sentir vontade, afinal é uma viagem independente e você possui liberdade de escolha. Pode ser que durante a viagem alguma nova atração surja e você deve incluir. A montagem do roteiro é simples (em word mesmo ou colocar os locais em um calendário de excel) e serve apenas como norteador para que nenhum lugar passe em branco. Tem pessoas que não gostam de roteiro e vão para o destino sem muita informação, isso fica a critério de cada viajante, dos seus interesses e estilo de viagem.

DICAS EXTRAS:

Dinheiro X Cartão de Crédito X Travel Card

Há quem prefira levar para a viagem todo o dinheiro em espécie e outros que preferem usar o cartão de crédito ou um Travel Card/Money (cartão de pré-pago).

Eu já viajei de diversas formas e para mim, o melhor é levar de várias formas: Levando a maioria em dinheiro em espécie (na moeda do local), cartão de crédito para urgências e emergências e também um Travel Card/Money pré carregado. 

Entenda junto com a sua operadora de cartão de crédito se você tem taxas especiais (mais baratas de acordo com seu plano) para realizar saques no exterior. Se tiver, será ótimo, porém cada saque costuma ser tarifado com um valor fixo, por isso se fizer saque no exterior, faça uma retirada maior por vez. No caso do cartão de crédito também é importante entender com o seu banco qual é considerado para a cotação: o câmbio do fechamento da fatura ou câmbio do vencimento da fatura para que você fique preparado dos valores cobrados.

É importante lembrar que incidirá no cartão de crédito e no Travel Card um IOF de 6,38% com a diferença que o Travel Card não corre o risco da oscilação da moeda estrangeira. Outra vantagem desse cartão é a segurança, que em caso de perda ou roubo, o travel card é bloqueado e outro é enviado gratuitamente para o local onde está o viajante.

O que levar?

Não se esqueça de imprimir as passagens, as reservas de hotéis com os endereços, o voucher do aluguel de carro, o seguro viagem e o seu roteiro (se tiver). Separe os documentos, remédios, cadeados, caneta, bloco de anotações, dinheiro, cartões de crédito ou travel card.

Não esqueça a máquina fotográfica e o celular, principalmente se for alugar um carro e for precisar de GPS. Ah, e os carregadores e adaptadores para tomadas, principalmente se você está indo para outro país. Pesquise qual o modelo da tomada para que possa providenciar antecipadamente e não ter surpresas (ou compre um adaptador universal)!

Faça uma mala de mão que estejam seus pertences de valor, documentos, eletrônicos e uma muda de roupa. Quanto a mala a ser despachada, verifique antecipadamente no site da cia aérea sobre as restrições, quilos permitidos e normas de bagagem da companhia. Verifique como estará o clima no local (se é inverno, verão, meia estação) e faça uma mala pensando neste clima, mas leve também algumas peças para caso o clima mude. Coloque calçados confortáveis para caminhar e faça malas leves, fáceis de carregar, com peças neutras e voláteis. No momento de fazê-las pratique o desapego! O mais importante não é o que você vai vestir, mas sim o que você vai viver (e claro, trazer). 

 

Chegou a hora de decolar! Relaxe e boa viagem!

 

Achou difícil montar o roteito e precisa de ajuda? Entre em contato conosco por aqui que podemos te ajudar!

 

Anúncios

2 comentários sobre “Passo-a-passo para organizar uma viagem de forma independente.

Deixe sugestões e/ou comentários :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s